.
Entrar | Contactos | Dicionário | FLiP.pt | LegiX.pt | Blogue | Loja

quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Números de 2014

Em 2014, o Dicionário Priberam da Língua Portuguesa recebeu mais de 70 milhões de visitas de consulentes das mais diversas proveniências, com a liderança a pertencer ao Brasil, logo seguido de Portugal e dos Estados Unidos da América. Ao todo, houve mais de 200 milhões de visualizações de páginas do Dicionário Priberam.

Relativamente ao ano anterior, a principal diferença quanto ao número de visitas e de visitantes reside no aumento substancial do número de acessos a partir de dispositivos móveis (smartphones e tablets), seja directamente ao site, seja através das aplicações do dicionário para Android, iOS e Windows Phone.

A palavra mais pesquisada no Dicionário Priberam em Portugal foi epígrafe, seguida de resiliência e de paradigma, como se pode ver na figura 1 abaixo.

Figura 1: As dez palavras mais pesquisadas (Portugal)


No Brasil, a palavra mais pesquisada no Dicionário Priberam foi rebu, seguida de ressabiado e de ascensão, como se pode ver na figura 2 abaixo.

Figura 2: As dez palavras mais pesquisadas (Brasil)

As palavras mais pesquisadas nos restantes países de língua oficial portuguesa incluem varonil, extinguiu e acutilante em Angola; desdobrável, biela e migrações em Cabo Verde; formal, multidão e circular na Guiné-Bissau; fanatismo, dezassete e colmo em Moçambique; administrativo, biodegradável e retidão em São Tomé e Príncipe; solicitar, corolário e amável em Timor-Leste.

No cômputo geral, e sem olhar a proveniências geográficas, as palavras mais pesquisadas foram resiliência, rebu e paradigma, como se pode ver na figura 3 abaixo. 

Figura 3: As dez palavras mais pesquisadas (geral)

Se o elevado número de pesquisas por resiliência se percebe em tempos de crise, a busca por rebu explica-se pela difusão da novela brasileira intitulada “O Rebu”, estreada em Portugal e no Brasil em Julho. 

Outros acontecimentos tiveram impacto nas pesquisas efectuadas no Dicionário Priberam (para saber quais, basta clicar nas palavras com hiperligação abaixo). Entre muitas outras, Janeiro foi mês de pesquisas por câmara-ardente, a propósito da morte do futebolista Eusébio; Fevereiro foi mês de pesquisar por consanguinidade, devido ao abate de uma girafa num zoo dinamarquês; Março foi mês de pesquisar por coadoção (em Portugal) e por fulecar (no Brasil); Abril viu disparar as pesquisas por estuprada após o surgimento da campanha #eunãomereçoserestuprada no Brasil; Maio foi mês de pesquisar por dogma, depois de o Papa Francisco se ter pronunciado sobre o celibato; em Junho chegaram as buscas por malévola, título de um filme da Disney no Brasil, e começaram as buscas incessantes por rebu; Julho foi o mês do Mundial de Futebol e as buscas por tetracampeão chegam depois da derrota do Brasil frente à Alemanha; Agosto foi mês de pesquisar por vários termos decorrentes do debate entre os candidatos às eleições presidenciais brasileiras, como fulanizar, paliativo ou criacionismo; a aprovação de uma lei mexicana contra a transfobia aumentou as pesquisas pelo termo em Setembro; em Outubro um episódio de um reality show português fez crescer as buscas por ósculo e por oscular; Novembro teve Dia da Consciência Negra no Brasil e subida das buscas por afro-brasileiro; Dezembro viu chegar o Natal e com ele a busca por termos da época, como advento, consoada ou próspero.

Figura 4: Os dez erros ortográficos mais pesquisados (geral)

Por fim, e porque o Dicionário Priberam é muitas vezes utilizado para saber como se escreve uma palavra da qual até se conhece o significado, os erros mais frequentemente pesquisados foram *concerteza (com certeza), *erradiação (irradiação) e *compania (companhia), como se pode ver na figura 4 acima.

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Auto-retrato



Falecido há pouco mais de um mês, o poeta brasileiro Manoel de Barros comemoraria hoje o seu 98.º aniversário. Celebramos a data com as palavras do seu auto-retrato:

Ao nascer eu não estava acordado, de forma que
não vi a hora.
Isso faz tempo.
Foi na beira de um rio.
Depois eu já morri 14 vezes.
Só falta a última.
Escrevi 14 livros.
E deles estou livrado.
São todos repetições do primeiro.
(Posso fingir de outros, mas não posso fugir de mim).
Já plantei dezoito árvores, mas pode que só quatro.
Em pensamento e palavras namorei noventa moças,
mas pode que nove.
Produzi desobjetos, 35, mas pode que onze.
Cito os mais bolinados: um alicate cremoso, um
abridor de amanhecer, uma fivela de prender silêncios,
um prego que farfalha, um parafuso de veludo, etc. etc.
Tenho uma confissão: noventa por cento do que
escrevo é invenção; só dez por cento que é mentira.
Quero morrer no barranco de um rio: - sem moscas
na boca descampada.

Manoel de Barros, Poesia Completa, Lisboa: Leya, 2010, p. 337.

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Explicação de uma vez por todas


Celebramos hoje o nascimento da escritora brasileira Clarice Lispector (1920-1977) com um excerto de uma crónica sua onde a autora procurava esclarecer, “de uma vez por todas”, que, apesar de ter nascido na Ucrânia, era brasileira:

“[...] Cheguei ao Brasil com apenas dois meses de idade.
        Sou brasileira naturalizada, quando, por uma questão de meses, poderia ser brasileira nata. Fiz da língua portuguesa a minha vida interior, o meu pensamento mais íntimo, usei-a para palavras de amor. Comecei a escrever pequenos contos logo que me alfabetizaram, e escrevi-os em português, é claro. Criei-me em Recife e acho que viver no Nordeste ou Norte do Brasil é viver mais intensamente e de perto a verdadeira vida brasileira que lá, no interior, não recebe influência de costumes de outros países. Minhas crendices foram aprendidas em Pernambuco, as comidas que mais gosto são pernambucanas. E através de empregadas, aprendi o rico folclore de lá. 
        Somente na puberdade vim para o Rio com minha família: era a cidade grande e cosmopolita que, no entanto, em breve se tornava para mim brasileira-carioca. 
       Quanto a meus r enrolados, estilo francês, quando falo, e que me dão um ar de estrangeira, trata-se apenas de um defeito de dicção: simplesmente não consigo falar de outro jeito. Defeito esse que meu amigo Dr. Pedro Bloch disse ser facílimo de corrigir e que ele faria isso para mim. Mas sou preguiçosa, sei de antemão que não faria os exercícios em casa. E além do mais meus r não me fazem mal algum. [...]”

in A Descoberta do Mundo

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Agenda: Borderlands Reinvented and Revisited: Portuguese Language Literature in Print and Image


A Universidade do Novo México, nos Estados Unidos da América, inaugura hoje a exposição Borderlands Reinvented and Revisited: Portuguese Language Literature in Print and Image (Zonas de Fronteira Reinventadas e Revisitadas: Literatura Portuguesa em Texto e Imagem), que põe em destaque obras de autores portugueses e brasileiros em diferentes formatos, desde o texto impresso até formatos mais populares como a banda desenhada, o filme ou o cordel.

Ao demonstrar a transição de textos e autores entre os diferentes formatos, a exposição visa questionar a dicotomia entre alta e baixa cultura, para além de apresentar publicamente o acervo bibliográfico e pictórico em língua portuguesa da universidade.

A exposição estará patente até 15 de Maio próximo. Mais informação aqui.

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Perdida mente...



Relembramos hoje Florbela Espanca com o soneto “Amar!”, no dia em que se comemoram os aniversários do nascimento e da morte da poetisa portuguesa:


Eu quero amar, amar perdidamente!
Amar só por amar: Aqui... além...
Mais Este e Aquele, o Outro e toda a gente…
Amar! Amar! E não amar ninguém!

Recordar? Esquecer? Indiferente!...
Prender ou desprender? É mal? É bem?
Quem disser que se pode amar alguém
Durante a vida inteira é porque mente!

Há uma Primavera em cada vida:
É preciso cantá-la assim florida,
Pois se Deus nos deu voz, foi pra cantar!

E se um dia hei-de ser pó, cinza e nada
Que seja a minha noite uma alvorada,
Que me saiba perder... pra me encontrar...

Florbela Espanca, Sonetos, 30.ª ed., Lisboa: Bertrand Editora, 1999, p.137








Priberam.pt
.