.
Entrar | Contactos | Dicionário | FLiP.pt | LegiX.pt | Blogue | Loja

sexta-feira, 31 de janeiro de 2020

Números e palavras de 2019

Dados gerais
No ano em que comemorou o seu 10.º aniversário, o Dicionário Priberam da Língua Portuguesa (DPLP) contabilizou mais de 38 milhões de utilizadores e ultrapassou a barreira dos 136 milhões de consultas (mais quatro milhões do que no ano anterior).

No que diz respeito ao trabalho de actualização e de revisão do DPLP, em 2019 foram redigidos cerca de 900 verbetes novos, criadas mais de 2600 acepções em falta e revistos mais de 5500 verbetes.


Palavras mais pesquisadas
Em Portugal, 2019 foi ano de pesquisar por inerente; no Brasil, foi ano de fazer buscas por nuance. No cômputo geral, a palavra mais pesquisada do ano no DPLP foi pragmático.

Figura 1: Palavras mais pesquisadas em Portugal e no Brasil no Dicionário Priberam em 2019

Nos restantes países de língua oficial portuguesa, as palavras mais procuradas no Dicionário Priberam foram disseminação (Angola), incidental (Cabo Verde), fenómeno (Guiné-Bissau), separação (Moçambique), pontada (São Tomé e Príncipe) e lar (Timor-Leste).


Volta ao mundo
Analisando palavras e expressões pesquisadas por utilizadores de outros países, deparamo-nos com várias curiosidades, algumas das quais apontadas abaixo.

Na figura 1 acima, destaca-se a presença de vagabunda, termo ofensivo que foi a segunda palavra mais pesquisada no Brasil em 2019. Curiosamente, na Suécia, vagabundo foi o termo mais pesquisado no mesmo período. Mas o Brasil e a Suécia não foram os únicos países a procurar por termos clara ou potencialmente ofensivos, como o comprovam as buscas por coninhas (Colômbia, Jordânia, Luxemburgo e Suíça), nhurro (EUA), chungaria (Holanda), songamonga (Líbano), totó (Luxemburgo), bruaca (Macau), burgesso (Malta), cabrão (Maurícia), cagão (Noruega), bunda-mole (Panamá), matumbo (Rússia), jagodes (Senegal) ou javardo (Suíça).

No registo informal, destacam-se termos e expressões das variedades de língua portuguesa, como candonga (Azerbaijão), fornicoques (Bélgica), caolho (Chile), porreiro (Costa do Marfim), lero-lero (Israel), micar (Itália), azucrinar (Emirados Árabes Unidos), calmeirão (Finlândia e Tailândia), chibaria (França, Holanda, Reino Unido e Tailândia devem ter tido espectadores atentos à letra da canção portuguesa no Festival da Eurovisão), galar (França), janado (Holanda), chilique (Hungria), chiça (Iraque), caraças (Itália, Trindade e Tobago), xaropada (Japão), bitaite (Letónia), manguito (Luxemburgo), pirete (Montenegro), descontra (Noruega), cangote (Paraguai), cacata (República Dominicana), bué (Roménia e Rússia), desenrascado (Ruanda), vai à nisga (Rússia), lacrar (Suécia), marimbar (Uruguai) ou praca (Vietname).

A par da linguagem informal, também saltam à vista as buscas relacionadas com determinadas partes do corpo e funções ou acções a elas associadas, como bunda (Costa Rica), catota (Filipinas), bronha (Finlândia), bucaque (Honduras, Roménia e Suíça), xibio (Índia), arriar o calhau (Islândia), berlaitada (Luxemburgo), piroca (Noruega), tesudo (Nova Zelândia), tesão (Rússia), encoxamento (a Turquia, que já em 2018 tinha pesquisado por encoxada, continua a pesquisar sobre o tema) ou senisga (Ucrânia).

Assim de repente, o que têm em comum África do Sul, Camboja e Austrália? É que as suas buscas por galão (África do Sul), papo-seco, carcaça (Camboja) e paio (Austrália) davam para fazer um lanchinho bem português. Outras buscas por comidas, bebidas e alimentos associados à cultura lusófona incluem chila (Espanha), semilhas (ilha de Guernesey), abatanado (ilha de Jersey e Holanda), pimpinela (Hungria), moqueca (Itália), manjua (Letónia), alcagoitas e cimbalino (Luxemburgo), febra (Macau), bagaceira (Paraguai), cocada e bica (Polónia), rabanada (Suíça), barriga-de-freira (Ucrânia) ou chuchu (Vietname). É só petiscar (República Checa) ou enfardar (Reino Unido), conforme o apetite e a vontade de jiboiar (Taiwan).

A procura por africanismos, de que também são exemplos cacatacandonga e matumbo acima, reflecte-se ainda em buscas por morabeza (Cabo Verde e Porto Rico), candando (Guiné-Bissau), sim-sim (Hungria), changana e macua (Moçambique), morna (Peru) ou liamba (Senegal).

Já as pesquisas por latinismos revelam o predomínio de expressões latinas mais filosóficas como non ignara mali, miseris succurrere disco e parcere subjectis et debellare superbo (Austrália), homo homini lupus (Finlândia), pereat mundus, fiat justitia (Índia), facilis est descensus averni e quos jupiter vult perdere dementat prius (Rússia) para além das do domínio histórico, como austriae est imperare orbi universo (Peru) ou ab urbe condita (São Tomé e Príncipe). 


O ano de 2019 em palavras
Pelo terceiro ano consecutivo em parceria com a agência de notícias Lusa, a Priberam dá a conhecer, no site O Ano em Palavras, as 24 palavras mais pesquisadas no dicionário relativas a eventos que marcaram o ano a nível político, económico, cultural e social. 

Figura 2: Palavras pesquisadas no Dicionário Priberam que reflectem acontecimentos de 2019

O site está estruturado com as palavras apresentadas cronologicamente, de Janeiro a Dezembro, duas por cada mês e, para cada palavra, é possível aceder ao seu significado, bem como ao artigo e à foto da Lusa sobre o evento que motivou as pesquisas no Dicionário Priberam.

quarta-feira, 6 de novembro de 2019

Centenário de Sophia de Mello Breyner Andresen

Fotografias de Eduardo Gageiro (1964).

Comemora-se hoje o centenário do nascimento da escritora e poetisa portuguesa Sophia de Mello Breyner Andresen (1919-2004).

A programação da celebração do Centenário de Sophia inclui concertos, leituras, exposições, conferências, teatro e dança.

Nós celebramos com dois poemas da autora sobre a escrita:

«A Escrita

No Palácio Mocenigo onde viveu sozinho
Lord Byron usava as grandes salas
Para ver a solidão espelho por espelho
E a beleza das portas quando ninguém passava

Escutava os rumores marinhos do silêncio
E o eco perdido de passos num corredor longínquo
Amava o liso brilhar do chão polido
E os tectos altos onde se enrolam as sombras
E embora se sentasse numa só cadeira
Gostava de olhar vazias as cadeiras

Sem dúvida ninguém precisa de tanto espaço vital
Mas a escrita exige solidões e desertos

E coisas que se vêem como quem vê outra coisa

Podemos imaginá-lo sentado à sua mesa
Imaginar o alto pescoço espesso
A camisa aberta e branca
O branco do papel as aranhas da escrita
E a luz da vela – como em certos quadros –
Tornando tudo atento»
Sophia de Mello Breyner Andresen, Obra Poética III, Lisboa: Caminho, 1990, pág. 328.


«Escrita II

Escreve numa sala grande e quase
Vazia
Não precisa de livro nem de arquivos
A sua arte é filha da memória
Diz o que viu
E o sol do que olhou para sempre o aclara»
Idem, Ibidem, Lisboa: Caminho, 1990, pág. 348.


quarta-feira, 10 de julho de 2019

Lisbon Machine Learning School 2019


Tem início amanhã, e decorre até ao próximo dia 18, a 9.ª edição da Lisbon Machine Learning School (LxMLS), escola de Verão intensiva sobre aprendizagem automática que conta com o patrocínio da Priberam e é organizada conjuntamente pelo Instituto Superior Técnico, pelo Instituto de Telecomunicações, pelo Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Investigação e Desenvolvimento em Lisboa (INESC-ID), pela Unbabel, pela Feedzai e pelos Priberam Labs.

quinta-feira, 27 de junho de 2019

Lexicografia criativa (4)

Esta semana, não um, mas dois consulentes do Dicionário Priberam da Língua Portuguesa resolveram brincar aos dicionários.

O primeiro, numa alusão ao mundo dos influenciadores:

(Via Twitter)

O segundo, alguém bastante descontente com o resultado de algum exame do Instituto de Avaliação Educativa, também conhecido pelo acrónimo IAVE:

(Via Twitter)

segunda-feira, 3 de junho de 2019

Agustina Bessa-Luís (1922-2019)



Prestamos homenagem à escritora Agustina Bessa-Luís, falecida hoje, pela voz da própria:

«Descobri-me escritora muito mais tarde, mas teria doze anos e fazia redacções na escola como uma futura escritora: com imaginação, com gosto de transformar, de encontrar esse reino da palavra que era fabuloso e impossível de ignorar, que fazia parte de mim. O gosto da palavra foi muito importante para me orientar para a escrita. Depois, o gosto de ouvir. O lado do meu pai era uma família rural, eram lavradores que faziam a quinta pelas próprias mãos, como se dizia. No fim do dia, havia ainda cozinhas com a lareira acesa, as pessoas reuniam-se e contavam o que se passava durante o dia e não só. Depois vinham as histórias do passado, aquelas histórias que as mulheres sabem tão bem recolher e embelezar. Foi o primeiro encontro com a narrativa, essas histórias das mulheres, sobretudo as mulheres.»


Sobre a autora de, entre outros títulos, A Sibila (1954), obra marcante da ficção portuguesa contemporânea, afirmou José Saramago
«Se há em Portugal um escritor que participe da natureza do génio, esse é Agustina Bessa-Luís [...]. Não é diminuí-la dizer que a vastíssima e poderosa obra de Agustina Bessa-Luís tem, entre todas as mais leituras, uma leitura sociológica. Cada um no seu terreno, cada um no seu tempo, cada um segundo as suas especificidades pessoais e artísticas, Balzac e Agustina Bessa-Luís fizeram o mesmo: observar e relatar. O século XIX francês compreender-se-á melhor lendo Balzac. A luz que irradia da obra de Agustina ajudar-nos-á a ver com mais nitidez o que foi a mentalidade de certa classe social no século XX. E também, já agora, a do final do nosso século XIX.»

sexta-feira, 10 de maio de 2019

Carlos Amaral, fundador e CEO da Priberam, recebe prémio “Personalidade”

Foto: AEMpress

Esta semana, Carlos Amaral, membro fundador e director da Priberam, foi galardoado com o prémio “Personalidade”, no âmbito da 14.ª edição dos prémios "Os Melhores do Portugal Tecnológico".

Os prémios, atribuídos pela equipa editorial da Exame Informática, visam distinguir investigadores, empreendedores, produtos e fabricantes que se destacam nas áreas da ciência e da tecnologia. 

O prémio “Personalidade” é definido por um júri convidado, composto por José Tribolet, professor catedrático do Instituto Superior Técnico (IST) e presidente do INESC, Pedro Veiga, professor catedrático da Universidade de Lisboa, Arlindo Oliveira, professor catedrático e presidente do IST, e Pedro Miguel Oliveira, jornalista e director da Exame Informática. 

Com este prémio, o júri reconheceu “o pioneirismo, a capacidade de engenho e a perseverança de Carlos Amaral”. No ano em que a Priberam vai comemorar o seu 30.º aniversário e em que o Dicionário Priberam comemorou o seu 10.º aniversário, esta distinção tem um sabor ainda mais especial.

segunda-feira, 8 de abril de 2019

10.º aniversário da “Palavra do dia”

Na semana passada o Dicionário Priberam celebrou o décimo ano da sua existência e hoje celebra o décimo aniversário da “Palavra do dia”.

Trata-se de uma iniciativa da Priberam que, desde Abril de 2009, destaca, nem que seja por um dia, palavras maioritariamente raras, curiosas ou pouco consultadas, escolhidas pela equipa de linguistas e divulgadas diariamente na página do dicionário, no Facebook, no Twitter e no Instagram.

Tudo começou com anverso, a primeira palavra do dia do Priberam, divulgada a 8 de Abril de 2009. Desde então, já foram divulgadas 3652 palavras diferentes, o que corresponde a menos de 3% das palavras do dicionário. É caso para dizer que, em dez anos, já demos cerca de 150 voltas ao abecedário. Mesmo que não adicionássemos mais palavras ao dicionário, ainda temos palavras para mais 355 anos de palavras do dia, mais exactamente até 1 de Setembro de 2374.


segunda-feira, 1 de abril de 2019

10.º aniversário do Dicionário Priberam


A propósito dos 10 anos do Priberam, que hoje se celebram, ocorrem-nos dez coisas sobre este dicionário online de língua portuguesa que, ao longo de uma década, se tornou uma referência para falantes de português em todo o mundo. Como hoje é o dia das mentiras, descubra uma patranha na lista abaixo.

1. O Priberam é serviço público grátis.
2. O Priberam pronuncia-se |pribèrã| e rima com catamarã.
3. O Priberam é um santo.
4. O Priberam é um pagodeiro.
5. O Priberam gosta que lhe dêem música (como esta ou, mais recentemente, esta *).
6. O Priberam desperta o lexicógrafo adormecido que há em cada falante de português.
7. O Priberam tem entrada própria no dicionário.
8. O Priberam é um medicamento que combate náuseas e vómitos.
9. O Priberam está ligado a um crime.
10. O Priberam é sinónimo de dicionário.

quinta-feira, 7 de março de 2019

Priberam Machine Learning Seminars (10.ª série)



Há 10 anos que a Priberam disponibiliza seminários e almoços grátis!

Hoje decorre mais uma sessão da décima temporada dos seminários de aprendizagem automática patrocinados pela Priberam, a decorrer agora na primeira e na terceira quinta-feira de cada mês, das 13h às 14h, no anfiteatro PA2 (piso -1, Pavilhão de Matemática) do campus da Alameda do Instituto Superior Técnico.

Os seminários são encontros informais que permitem a apresentação e a discussão de vários tópicos relacionados com a aprendizagem automática (machine learning, em inglês) e disponibilizam uma refeição grátis a todos os participantes inscritos.

Mais informação aqui (em inglês).

terça-feira, 26 de fevereiro de 2019

"Assim não"

Quando Miguel Esteves Cardoso, na crónica “Patuscar Palavras”, e Ricardo Araújo Pereira, no programa Gente que não sabe estar (a partir do minuto 04:37), dois autores, conhecidos pela verve e pelas suas iniciais, confundem a identidade do Dicionário Priberam, até apetece responder "Assim não", lembrando um segmento televisivo  protagonizado por RAP. Qualquer semelhança do texto abaixo com esse segmento é plenamente propositada:

- Professor, o Priberam é um dicionário online da Priberam, não é?
- É!
- Portanto devia ser reconhecido como tal?
- Exacto!
- Mas eu poderia dizer que é da Porto Editora?
- Podia.
- E o que é que me acontecia?
- Nada!
- Mas estava a ir contra a realidade?
- Estava!
- E como é que a realidade me punia?
- De maneira nenhuma!
- Isso não é um bocadinho incoerente?
- Psht! Dizer que o Priberam é da Porto Editora é um engano, mas pode-se fazer, mas é um engano. Mas pode-se fazer! Só que é um engano! O que é que acontece a quem o faz? Nada! É um engano, mas pode-se fazer. É um engano...
- Portanto, posso dizer que o Dicionário Priberam é da Porto Editora, mesmo sendo da Priberam?
- Pode!
- Mas não é um engano?
- É!
- E o que é que me acontece?
- Nada!







Priberamt
.