.
Entrar | Contactos | Dicionário | FLiP.pt | LegiX.pt | Blogue | Loja

terça-feira, 13 de julho de 2021

Lisbon Machine Learning School 2021


Está a decorrer, até ao próximo dia 15, a 11.ª edição da Lisbon Machine Learning School (LxMLS), a escola de Verão sobre aprendizagem automática. Mais uma vez devido a condicionamentos decorrentes da COVID-19, a escola é virtual e pode ser acompanhada online (via zoom e slack).

A LxMLS é organizada conjuntamente pelo Instituto Superior Técnico, pelo Instituto de Telecomunicações, pelo Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Investigação e Desenvolvimento em Lisboa (INESC-ID), pela Unbabel, pela Cleverly e pela Priberam.


quinta-feira, 8 de abril de 2021

12.º aniversário da “Palavra do dia”

«E não haver gestos novos nem palavras novas!»
Florbela Espanca, Diário do Último Ano, 2.ª ed., Lisboa: Bertrand, 1982, p. 61


É talvez por compreender o desalento da poetisa portuguesa Florbela Espanca (1894-1930) que o Dicionário Priberam, apesar da covid-19, do confinamento ou do teletrabalho, cumpriu mais um ano de partilha diária de palavras que podem ser novas (muitas sê-lo-ão garantidamente, outras, nem tanto) para muitos de nós. 

O Dicionário Priberam não se deixou abalar pelos efeitos da pandemia e prosseguiu na partilha diária de termos maioritariamente raros, curiosos, pouco usados, caídos no esquecimento ou com ligação a eventos da actualidade. Há 12 anos que o Dicionário Priberam divulga diariamente uma palavra “nova”, nem que o seja só por um dia, na sua página online e nas suas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram). 


Desde 2019 que a “palavra do dia” do Priberam é divulgada também no programa de rádio “Primeiro Plano” (de segunda a sexta-feira, das 07h00 às 09h00), da cabo-verdiana Rádio Morabeza e, desde 2020, no programa “Quinta Avenida” (quinta-feira, das 22h à meia-noite), da Rádio Voz de Alenquer.


terça-feira, 6 de abril de 2021

12.º aniversário do Dicionário Priberam

Não há que ter pejo em dizê-lo: o Dicionário Priberam da Língua Portuguesa está um ano mais velho e um pouco mais anafadinho.

No passado dia 1 de Abril, o Dicionário Priberam da Língua Portuguesa comemorou 12 anos de vida (não é peta, o aniversário do dicionário online da Priberam é mesmo no dia das mentiras), sem grandes celebrações por respeito às medidas de confinamento no âmbito do combate à pandemia da covid-19. Para os mais curiosos, é possível ter uma ideia sobre o que aconteceu em mais um ano de vida do Dicionário Priberam através do balanço do ano passado ou do site O Ano em Palavras.

Quanto ao facto de o Dicionário Priberam estar mais anafado, a culpa não é do confinamento, mas dos mais de 2200 novos verbetes que passou a registar em 2020. 

Só no primeiro trimestre deste ano, foram já adicionados 592 verbetes. Muitas das inclusões recentes reflectem novos termos associados à covid-19 ou à área da medicina em geral (como aeromédico, antiescaras, aquarentenar, autoteste, borderline, imunotolerante, oncogenicidade, porta-máscara, salva-orelhas, uranálise ou virtópsia), gentílicos (como avisense, baleárico, cratense, diliense, monfortense, nisense, ouriquense, pinhelense, rio-tintense, sabugalense ou velense) ou termos de outras áreas (como antifraude, braquiação, coluvial, deotropismo, encorricado, gamer, heterocaracterização, indo-pacífico, jurubita, luso-senegalês, misofilia, narcossubmarino, párodo, ressemantização, sinequismo, trapudo, uado, verrumante ou xamânico), para mencionar apenas algumas das quase seiscentas novas entradas deste ano. 

No que diz respeito a buscas, no primeiro trimestre de 2021, o Dicionário Priberam foi consultado por mais de 14 milhões de utilizadores, os quais fizeram mais de 78 milhões de pesquisas, valores que correspondem a um crescimento de cerca de 30% relativamente ao mesmo período do ano passado. A palavra mais pesquisada durante este período foi postigo, por razões relacionadas com as regras para o comércio durante o confinamento.

Presente desde Maio de 2020 no ranking auditado netAudience, sistema de classificação que mede a audiência da Internet mensalmente, o Dicionário Priberam ocupava em Fevereiro a 13.ª posição na lista dos 20 sites portugueses mais visitados:



segunda-feira, 8 de março de 2021

Priberam Machine Learning Lunch Seminars (12.ª série)

Tem início amanhã, dia 9, a 12.ª temporada dos seminários de aprendizagem automática patrocinados pela Priberam. Como é habitual, os seminários ocorrem quinzenalmente, à terça-feira, das 13h às 14h, e são um ponto de encontro para a apresentação e a discussão de vários tópicos relacionados com a aprendizagem automática.

Tal como na temporada anterior, por restrições relacionadas com a COVID-19, os seminários irão decorrer remotamente (via Zoom) e sem a habitual distribuição de almoço grátis. Mais informações aqui (em inglês).


sexta-feira, 8 de janeiro de 2021

Números e palavras de 2020

Dados gerais
Em 2020, ano de confinamento, de quarentena, de teletrabalho e de telescola devido à pandemia da covid-19, o Dicionário Priberam da Língua Portuguesa (DPLP) registou um aumento muito significativo de pesquisas, subindo para 45 milhões o número de utilizadores (mais 7 milhões do que no ano anterior), os quais geraram 261 milhões de pesquisas, quase o dobro das pesquisas registadas em 2019.

Talvez por essa razão, 2020 foi também o ano em que o site do Dicionário Priberam passou a integrar, desde Maio, o ranking auditado netAudience, um sistema de classificação que mede a audiência da Internet e que regista os 20 sites portugueses mais visitados em cada mês.

No balanço geográfico, destacam-se, por país, Brasil, Portugal, Angola, Moçambique e EUA, com a liderança por cidade a pertencer a Lisboa, Porto, São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília.

No que diz respeito ao trabalho de actualização do DPLP, o ano transacto foi bastante produtivo, já que foram redigidos mais de 2200 novos verbetes, criadas perto de 6000 novas acepções e adicionados quase 9000 sinónimos e cerca de 2000 antónimos.


Palavras mais pesquisadas
Em Portugal, mitigação, que se destacou logo no primeiro trimestre de 2020, permaneceu no topo das pesquisas o tempo suficiente para se tornar a palavra mais pesquisada do ano. No Brasil, a palavra mais pesquisada em 2020 foi relicário (alvíssaras a quem nos ajudar a perceber porquê!). No cômputo geral, a palavra mais pesquisada de 2020 no DPLP foi também mitigação, tal foi o desejo de ver mitigada a pandemia.

Figura 1: Palavras mais pesquisadas em Portugal e no Brasil no Dicionário Priberam em 2020

Nos restantes países de língua oficial portuguesa, as palavras mais procuradas no Dicionário Priberam foram resolução (Angola), jus (Cabo Verde), antecessor (Guiné-Bissau), juro (Moçambique), masoquista (São Tomé e Príncipe) e despesas (Timor-Leste).


Volta ao mundo
Há várias maneiras de caracterizar o ano de 2020. Vejamos algumas, a partir das muitas pesquisas no DPLP feitas por consulentes de diversas proveniências, que confirmam que nenhuma parte do mundo escapou ao tema da covid-19.

Pode descrever-se 2020 como um ano austero (França), cinzento (México), desarmante (Roménia), horripilante (Ucrânia), instável (Costa Rica), lúgubre (Paraguai), taciturno (Gibraltar), tempestuoso (Hong Kong terá tido outras razões além da covid-19 para esta busca) ou até tumultuário (Chipre), mas sabe melhor descrevê-lo como quilhado (Alemanha), chanfrado, marado, sacana ou mesmo cabrão (a Roménia entusiasmou-se...). Isto porque 2020 foi o ano do coronavírus, ou melhor, do dito-cujo (Hungria), mas também um ano do capeta (São Tomé e Príncipe) ou do chifrudo (Chile)!

Para alguns, 2020 foi uma hecatombe (Cabo Verde, Roménia), um cataclismo (São Tomé e Príncipe), uma catástrofe (Timor-Leste), um flagelo ou um pandemónio (Guiné-Bissau), uma intempérie (Macau), um caos (Países Baixos), uma praga (Hungria e Itália), um drama (Suriname), um fardo (Itália) ou até uma chatice (Emirados Árabes Unidos), um perrengue (Argentina, Equador, Nova Zelândia, Uruguai).

Para outros, 2020 foi um ano de desassossego e amargura (Ruanda), perda (Suíça), descontentamento (Timor-Leste), apreensão (China), condicionalismos (Paquistão), precauções (Coreia do Sul), estresse (Espanha) e até de neura (Austrália) ou chilique (Canadá, Irlanda).

Para outros ainda, 2020 foi um ano que, quase de certeza, fez alguém barafustar (Cabo Verde), atarantar-se (EUA), flipar (Roménia) ou tripar (Argélia). Foi também o ano em que, justificadamente, alguém se pode ter sentido anacoreta (Canadá, Emirados Árabes Unidos), eremita (Equador), chateado (Colômbia), jururu (Itália), carrancudo (Irlanda), piurso (Suíça) ou mesmo ao deus-dará (Espanha).

Face a este cenário de 2020, não admira que, na figura 1 acima, se destaque resiliência, (já nossa conhecida de balanços anteriores), como uma das palavras mais pesquisadas em Portugal e no cômputo geral. É provável que as razões que fizeram aumentar a procura por resiliência justifiquem também as buscas por bom senso (Brasil), calma (Camboja), estoicismo (Timor-Leste) ou por benevolência (Espanha), camaradagem (Japão), compaixão (Suécia), empatia e porto seguro (Brasil).

Por ter sido o ano que foi, é natural que 2020 também tenho feito disparar as buscas por colinho e amor (Paraguai), cafuné (Colômbia), aconchego (Espanha), xodó (Vietname) e, claro, saudade (Canadá, Colômbia, Espanha, Eslovénia, Nova Zelândia, Polónia).

O confinamento de 2020 teve várias consequências, uma das quais parece ter sido uma maior dedicação à arte da culinária. Isso reflectiu-se também nas buscas do DPLP que quase davam para abastecer uma secção de secos e molhados (Nova Zelândia). Optamos por destacar as pesquisas patê, esparguete, pimento, pastinaga, hambúrguer, picante e gasosa, pois com elas o Vietname quase compôs uma refeição (só faltou o cafezinho, mas, dessa busca, encarregou-se a República Checa). Como as buscas por pratos culinários, alimentos, ervas e temperos, sobremesas e bebidas foram tantas e tão variadas, é natural encontrar também buscas por empanturrado (Marrocos, Suécia), gastura (Paraguai) ou apepsia (Nepal). 

Outra consequência do confinamento parecer ter sido o interesse por aquelas coisas que ficaram mais difíceis de fazer em 2020, como ramboiada (Eslováquia), moina, vida airada (Luxemburgo) ou até bilhardar (Luxemburgo) e mujimbar (Chile).

Compreensivelmente, e por tudo o que se disse acima, 2020 foi um ano digno de inúmeras interjeições, como caraças (Espanha e Suíça), carago (Sri Lanca), meleca (Itália), lagarto, lagarto (Alemanha), vade-retro (Israel), poça (França) ou até porra (Hungria), para não mencionar outras duas mais cabeludas (não é, Bolívia, Finlândia, França, Hungria e Suíça?).

Aproveitando a nota mais informal acima, não podemos deixar de referir aquelas buscas mais informais, brejeiras ou safadas a que estes balanços já nos habituaram, como agarramento, paquera (Áustria), apalpão (Austrália), sarro (Colômbia); anilha (Polónia), bujão (Andorra), cu (Brasil), traseiro (Chipre); grelinho (Chile), lasca (Dinamarca), pachacha (Finlândia), pepeca (Chile, Uruguai), xenhenhém (Costa Rica), xoxota (Índia); minete (Luxemburgo), siririca (Costa Rica); pica (Bermudas); felácio (Áustria), broche (Guatemala, Irlanda, Luxemburgo), bronha (Emirados Árabes Unidos), boquete (Canadá), boqueteiro (Irlanda), brochista (Roménia); tesão (Chile), tusa (Coreia do Sul), tesudo (Suíça, Uruguai); broxar (Canadá), curtir (Ucrânia), transar (Bangladeche, São Tomé e Príncipe), ménage (Brasil) ou swing (Tailândia).

Para nos redimirmos do parágrafo anterior, terminamos numa nota mais erudita, com o levantamento de pesquisas por latinismos, que se distribuíram pelos domínios académico, como numerus clausus (Angola) e data maxima venia (Brasil), jurídico, como res judicata pro veritate habetur (Angola), habeas corpus (Chile), ipso jure (Cuba) ou post factum (Japão), filosófico, como ad augusta per angusta e sapiens nihil affirmat quod non probet (Brasil), est modus in rebus (EUA), fas est et ab hoste doceri (Hungria), ubi veritas e audentes fortuna juvat (Luxemburgo), exegi monumentum aere perennius (Polónia), aut caesar, aut nihil (Timor-Leste) ou plurima mortis imago (Venezuela), a par de buscas mais gerais, como ab hoc et ab hac (Hungria) in extremis (Moçambique), ipsis verbis e ad vitam aeternam (Países Baixos), alea jacta est (Paraguai), fama volat (Sri Lanca) ou semper et ubique (Suíça). 


O ano de 2020 em palavras
No ano em que covid-19 passou a fazer parte do vocabulário de todos, a Priberam voltou a associar-se à agência de notícias Lusa para ilustrar algumas das palavras mais pesquisadas no Dicionário Priberam em 2020.

No site O Ano em Palavras, é possível visualizar, cronologicamente, algumas das palavras mais pesquisadas no Dicionário Priberam relativas à actualidade nacional e internacional de 2020, bem como as notícias e fotos dos eventos que originaram essas pesquisas e que marcaram o ano a nível político, económico, cultural e social.

Entre as mais de duas centenas de palavras que, devido ao elevado número de pesquisas diárias, ganharam destaque na nuvem do dicionário ao longo do ano e foram recolhidas para posterior selecção pelos editores da Lusa, é inevitável encontrar muitas que se referem directamente à covid-19, como assintomático, confinamento, coronavírus, pandemia (a mais pesquisada de todas), quarentena ou zaragatoa:

Figura 2: Palavras pesquisadas no Dicionário Priberam que reflectem alguns dos principais acontecimentos de 2020


Com este retrato de 2020 terminamos o balanço do ano no DPLP. A todos os consulentes, resta-nos agradecer terem estado desse lado e desejar buscas mais felizes em 2021.

quarta-feira, 12 de agosto de 2020

Lexicografia criativa (5)

Nem no período das férias os consulentes tiram férias do Dicionário Priberam

Carlos Pereira é um auto-intitulado “estafeta do humor”, que entrega piadas em forma de texto, vídeo, áudio e, intitula agora a Priberam, de definição lexicográfica, como se pode ver pela descrição do seu Varandim no YouTube:

As três primeiras definições do varandim acima são, ipsis litteris, do Priberam, mas a última é, claramente, um saudável devaneio lexicográfico.


terça-feira, 21 de julho de 2020

Lisbon Machine Learning School 2020



Está aberta a 10.ª edição da Lisbon Machine Learning School (LxMLS), a escola de Verão sobre aprendizagem automática. Este ano, devido a condicionamentos decorrentes da COVID-19, a escola é virtual e pode ser acompanhada online em live streaming.

quarta-feira, 6 de maio de 2020

quarta-feira, 8 de abril de 2020

"Palavra do dia" faz 11 anos



Passaram onze anos desde que, em Abril de 2009, o Dicionário Priberam começou a divulgar a palavra do dia na sua página online e nas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram). São onze anos de partilha diária, o que se traduz em mais de 4000 termos partilhados, termos maioritariamente raros, curiosos, pouco usados ou caídos no esquecimento das páginas dos dicionários e que a equipa de linguistas da Priberam resolveu destacar por um dia. 

A moda da palavra do dia do Dicionário Priberam pegou e agora é vê-la divulgada até nas ondas hertzianas. Em 2019, a Rádio Morabeza, de Cabo Verde, foi a primeira a estabelecer uma parceria com a Priberam para a divulgação da palavra do dia, no programa informativo “Primeiro Plano” (de segunda a sexta-feira, das 07h00 às 09h00). Recentemente, foi a vez do programa “Quinta Avenida” (quinta-feira, das 22h à meia-noite), da Rádio Voz de Alenquer, passar a divulgar a palavra do dia na sua página de Facebook.

Nestes dias de isolamento social e de confinamento forçado, há palavras que nos confortam e que precisamos de ler, dizer e ouvir mais. Fazemos uma pausa nas palavras obscuras, esquisitas ou pouco conhecidas, inspiramos fundo, até porque dum spiro spero, e, em tempos difíceis, escolhemos jovialidade como palavra do dia de hoje e como mote para as próximas partilhas diárias.

quarta-feira, 1 de abril de 2020

11.º aniversário do Dicionário Priberam

Nas celebrações do 11.º aniversário do Dicionário Priberam, vemo-nos confinados em casa devido à pandemia da COVID-19, mas nem por isso deixamos de assinalar a data. O Priberam está um ano mais velho, mas continua a ser instrumento precioso para compreender a actualidade.

Numa altura de quarentena, o que procuram os consulentes do Dicionário Priberam? Em Portugal, em meados do mês passado, a revista Exame Informática fez a mesma pergunta e fez um gráfico com as principais pesquisas relacionadas com o coronavírus:


Os números de acesso no primeiro trimestre de 2020 confirmam que os consulentes de Portugal se viraram para o dicionário para perceber a crise provocada pela COVID-19, mas não foram os únicos. De acordo com o Google Analytics, relativamente ao trimestre homólogo de 2019, houve um aumento de mais 17 milhões de consultas ao Dicionário Priberam em Portugal, mais de 5 milhões de consultas no Brasil e mais de 26 milhões de consultas em todo o mundo!

A nuvem do Dicionário Priberam, actualizada em tempo real, é um bom indicador das buscas dos consulentes, pois reflecte as palavras mais pesquisadas por dia. Neste momento tem este aspecto:


Se já o era anteriormente, agora mais do que nunca é caso para dizer, como fez um utilizador do Twitter, que:


O Dicionário Priberam acompanha o confinamento. Confinem com o Dicionário Priberam, nem que seja pelos mesmos motivos deste outro utilizador do Twitter:







Priberamt
.