.
Entrar | Contactos | Dicionário | FLiP.pt | LegiX.pt | Blogue | Loja

quarta-feira, 1 de abril de 2020

11.º aniversário do Dicionário Priberam

Nas celebrações do 11.º aniversário do Dicionário Priberam, vemo-nos confinados em casa devido à pandemia da COVID-19, mas nem por isso deixamos de assinalar a data. O Priberam está um ano mais velho, mas continua a ser instrumento precioso para compreender a actualidade.

Numa altura de quarentena, o que procuram os consulentes do Dicionário Priberam? Em Portugal, em meados do mês passado, a revista Exame Informática fez a mesma pergunta e fez um gráfico com as principais pesquisas relacionadas com o coronavírus:


Os números de acesso no primeiro trimestre de 2020 confirmam que os consulentes de Portugal se viraram para o dicionário para perceber a crise provocada pela COVID-19, mas não foram os únicos. De acordo com o Google Analytics, relativamente ao trimestre homólogo de 2019, houve um aumento de mais 17 milhões de consultas ao Dicionário Priberam em Portugal, mais de 5 milhões de consultas no Brasil e mais de 26 milhões de consultas em todo o mundo!

A nuvem do Dicionário Priberam, actualizada em tempo real, é um bom indicador das buscas dos consulentes, pois reflecte as palavras mais pesquisadas por dia. Neste momento tem este aspecto:


Se já o era anteriormente, agora mais do que nunca é caso para dizer, como fez um utilizador do Twitter, que:


O Dicionário Priberam acompanha o confinamento. Confinem com o Dicionário Priberam, nem que seja pelos mesmos motivos deste outro utilizador do Twitter:


terça-feira, 31 de março de 2020

Priberam Machine Learning Lunch Seminars (11.ª série)



A 11.ª temporada dos seminários de aprendizagem automática com almoço grátis patrocinados pela Priberam teve início no dia 18 do mês passado.

Por norma, os seminários decorrem quinzenalmente às terças-feiras, das 13h às 14h, no campus da Alameda do Instituto Superior Técnico, mas, em tempo de COVID-19, os seminários irão ocorrer remotamente, por videoconferência (via Zoom), com a mesma periodicidade.

Contrariamente ao que é habitual, os almoços não serão fornecidos, mas fique à vontade para trazer o seu e almoçar ao mesmo tempo que assiste ao seminário!

Os interessados podem inscrever-se aqui ou obter mais informação aqui.

sexta-feira, 31 de janeiro de 2020

Números e palavras de 2019

Dados gerais
No ano em que comemorou o seu 10.º aniversário, o Dicionário Priberam da Língua Portuguesa (DPLP) contabilizou mais de 38 milhões de utilizadores e ultrapassou a barreira dos 136 milhões de consultas (mais quatro milhões do que no ano anterior).

No que diz respeito ao trabalho de actualização e de revisão do DPLP, em 2019 foram redigidos cerca de 900 verbetes novos, criadas mais de 2600 acepções em falta e revistos mais de 5500 verbetes.


Palavras mais pesquisadas
Em Portugal, 2019 foi ano de pesquisar por inerente; no Brasil, foi ano de fazer buscas por nuance. No cômputo geral, a palavra mais pesquisada do ano no DPLP foi pragmático.

Figura 1: Palavras mais pesquisadas em Portugal e no Brasil no Dicionário Priberam em 2019

Nos restantes países de língua oficial portuguesa, as palavras mais procuradas no Dicionário Priberam foram disseminação (Angola), incidental (Cabo Verde), fenómeno (Guiné-Bissau), separação (Moçambique), pontada (São Tomé e Príncipe) e lar (Timor-Leste).


Volta ao mundo
Analisando palavras e expressões pesquisadas por utilizadores de outros países, deparamo-nos com várias curiosidades, algumas das quais apontadas abaixo.

Na figura 1 acima, destaca-se a presença de vagabunda, termo ofensivo que foi a segunda palavra mais pesquisada no Brasil em 2019. Curiosamente, na Suécia, vagabundo foi o termo mais pesquisado no mesmo período. Mas o Brasil e a Suécia não foram os únicos países a procurar por termos clara ou potencialmente ofensivos, como o comprovam as buscas por coninhas (Colômbia, Jordânia, Luxemburgo e Suíça), nhurro (EUA), chungaria (Holanda), songamonga (Líbano), totó (Luxemburgo), bruaca (Macau), burgesso (Malta), cabrão (Maurícia), cagão (Noruega), bunda-mole (Panamá), matumbo (Rússia), jagodes (Senegal) ou javardo (Suíça).

No registo informal, destacam-se termos e expressões das variedades de língua portuguesa, como candonga (Azerbaijão), fornicoques (Bélgica), caolho (Chile), porreiro (Costa do Marfim), lero-lero (Israel), micar (Itália), azucrinar (Emirados Árabes Unidos), calmeirão (Finlândia e Tailândia), chibaria (França, Holanda, Reino Unido e Tailândia devem ter tido espectadores atentos à letra da canção portuguesa no Festival da Eurovisão), galar (França), janado (Holanda), chilique (Hungria), chiça (Iraque), caraças (Itália, Trindade e Tobago), xaropada (Japão), bitaite (Letónia), manguito (Luxemburgo), pirete (Montenegro), descontra (Noruega), cangote (Paraguai), cacata (República Dominicana), bué (Roménia e Rússia), desenrascado (Ruanda), vai à nisga (Rússia), lacrar (Suécia), marimbar (Uruguai) ou praca (Vietname).

A par da linguagem informal, também saltam à vista as buscas relacionadas com determinadas partes do corpo e funções ou acções a elas associadas, como bunda (Costa Rica), catota (Filipinas), bronha (Finlândia), bucaque (Honduras, Roménia e Suíça), xibio (Índia), arriar o calhau (Islândia), berlaitada (Luxemburgo), piroca (Noruega), tesudo (Nova Zelândia), tesão (Rússia), encoxamento (a Turquia, que já em 2018 tinha pesquisado por encoxada, continua a pesquisar sobre o tema) ou senisga (Ucrânia).

Assim de repente, o que têm em comum África do Sul, Camboja e Austrália? É que as suas buscas por galão (África do Sul), papo-seco, carcaça (Camboja) e paio (Austrália) davam para fazer um lanchinho bem português. Outras buscas por comidas, bebidas e alimentos associados à cultura lusófona incluem chila (Espanha), semilhas (ilha de Guernesey), abatanado (ilha de Jersey e Holanda), pimpinela (Hungria), moqueca (Itália), manjua (Letónia), alcagoitas e cimbalino (Luxemburgo), febra (Macau), bagaceira (Paraguai), cocada e bica (Polónia), rabanada (Suíça), barriga-de-freira (Ucrânia) ou chuchu (Vietname). É só petiscar (República Checa) ou enfardar (Reino Unido), conforme o apetite e a vontade de jiboiar (Taiwan).

A procura por africanismos, de que também são exemplos cacatacandonga e matumbo acima, reflecte-se ainda em buscas por morabeza (Cabo Verde e Porto Rico), candando (Guiné-Bissau), sim-sim (Hungria), changana e macua (Moçambique), morna (Peru) ou liamba (Senegal).

Já as pesquisas por latinismos revelam o predomínio de expressões latinas mais filosóficas como non ignara mali, miseris succurrere disco e parcere subjectis et debellare superbo (Austrália), homo homini lupus (Finlândia), pereat mundus, fiat justitia (Índia), facilis est descensus averni e quos jupiter vult perdere dementat prius (Rússia) para além das do domínio histórico, como austriae est imperare orbi universo (Peru) ou ab urbe condita (São Tomé e Príncipe). 


O ano de 2019 em palavras
Pelo terceiro ano consecutivo em parceria com a agência de notícias Lusa, a Priberam dá a conhecer, no site O Ano em Palavras, as 24 palavras mais pesquisadas no dicionário relativas a eventos que marcaram o ano a nível político, económico, cultural e social. 

Figura 2: Palavras pesquisadas no Dicionário Priberam que reflectem acontecimentos de 2019

O site está estruturado com as palavras apresentadas cronologicamente, de Janeiro a Dezembro, duas por cada mês e, para cada palavra, é possível aceder ao seu significado, bem como ao artigo e à foto da Lusa sobre o evento que motivou as pesquisas no Dicionário Priberam.






Priberamt
.