.
Entrar | Contactos | Dicionário | FLiP.pt | LegiX.pt | Blogue | Loja

quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Números de 2014

Em 2014, o Dicionário Priberam da Língua Portuguesa recebeu mais de 70 milhões de visitas de consulentes das mais diversas proveniências, com a liderança a pertencer ao Brasil, logo seguido de Portugal e dos Estados Unidos da América. Ao todo, houve mais de 200 milhões de visualizações de páginas do Dicionário Priberam.

Relativamente ao ano anterior, a principal diferença quanto ao número de visitas e de visitantes reside no aumento substancial do número de acessos a partir de dispositivos móveis (smartphones e tablets), seja directamente ao site, seja através das aplicações do dicionário para Android, iOS e Windows Phone.

A palavra mais pesquisada no Dicionário Priberam em Portugal foi epígrafe, seguida de resiliência e de paradigma, como se pode ver na figura 1 abaixo.

Figura 1: As dez palavras mais pesquisadas (Portugal)


No Brasil, a palavra mais pesquisada no Dicionário Priberam foi rebu, seguida de ressabiado e de ascensão, como se pode ver na figura 2 abaixo.

Figura 2: As dez palavras mais pesquisadas (Brasil)

As palavras mais pesquisadas nos restantes países de língua oficial portuguesa incluem varonil, extinguiu e acutilante em Angola; desdobrável, biela e migrações em Cabo Verde; formal, multidão e circular na Guiné-Bissau; fanatismo, dezassete e colmo em Moçambique; administrativo, biodegradável e retidão em São Tomé e Príncipe; solicitar, corolário e amável em Timor-Leste.

No cômputo geral, e sem olhar a proveniências geográficas, as palavras mais pesquisadas foram resiliência, rebu e paradigma, como se pode ver na figura 3 abaixo. 

Figura 3: As dez palavras mais pesquisadas (geral)

Se o elevado número de pesquisas por resiliência se percebe em tempos de crise, a busca por rebu explica-se pela difusão da novela brasileira intitulada “O Rebu”, estreada em Portugal e no Brasil em Julho. 

Outros acontecimentos tiveram impacto nas pesquisas efectuadas no Dicionário Priberam (para saber quais, basta clicar nas palavras com hiperligação abaixo). Entre muitas outras, Janeiro foi mês de pesquisas por câmara-ardente, a propósito da morte do futebolista Eusébio; Fevereiro foi mês de pesquisar por consanguinidade, devido ao abate de uma girafa num zoo dinamarquês; Março foi mês de pesquisar por coadoção (em Portugal) e por fulecar (no Brasil); Abril viu disparar as pesquisas por estuprada após o surgimento da campanha #eunãomereçoserestuprada no Brasil; Maio foi mês de pesquisar por dogma, depois de o Papa Francisco se ter pronunciado sobre o celibato; em Junho chegaram as buscas por malévola, título de um filme da Disney no Brasil, e começaram as buscas incessantes por rebu; Julho foi o mês do Mundial de Futebol e as buscas por tetracampeão chegam depois da derrota do Brasil frente à Alemanha; Agosto foi mês de pesquisar por vários termos decorrentes do debate entre os candidatos às eleições presidenciais brasileiras, como fulanizar, paliativo ou criacionismo; a aprovação de uma lei mexicana contra a transfobia aumentou as pesquisas pelo termo em Setembro; em Outubro um episódio de um reality show português fez crescer as buscas por ósculo e por oscular; Novembro teve Dia da Consciência Negra no Brasil e subida das buscas por afro-brasileiro; Dezembro viu chegar o Natal e com ele a busca por termos da época, como advento, consoada ou próspero.

Figura 4: Os dez erros ortográficos mais pesquisados (geral)

Por fim, e porque o Dicionário Priberam é muitas vezes utilizado para saber como se escreve uma palavra da qual até se conhece o significado, os erros mais frequentemente pesquisados foram *concerteza (com certeza), *erradiação (irradiação) e *compania (companhia), como se pode ver na figura 4 acima.

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Auto-retrato



Falecido há pouco mais de um mês, o poeta brasileiro Manoel de Barros comemoraria hoje o seu 98.º aniversário. Celebramos a data com as palavras do seu auto-retrato:

Ao nascer eu não estava acordado, de forma que
não vi a hora.
Isso faz tempo.
Foi na beira de um rio.
Depois eu já morri 14 vezes.
Só falta a última.
Escrevi 14 livros.
E deles estou livrado.
São todos repetições do primeiro.
(Posso fingir de outros, mas não posso fugir de mim).
Já plantei dezoito árvores, mas pode que só quatro.
Em pensamento e palavras namorei noventa moças,
mas pode que nove.
Produzi desobjetos, 35, mas pode que onze.
Cito os mais bolinados: um alicate cremoso, um
abridor de amanhecer, uma fivela de prender silêncios,
um prego que farfalha, um parafuso de veludo, etc. etc.
Tenho uma confissão: noventa por cento do que
escrevo é invenção; só dez por cento que é mentira.
Quero morrer no barranco de um rio: - sem moscas
na boca descampada.

Manoel de Barros, Poesia Completa, Lisboa: Leya, 2010, p. 337.

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Explicação de uma vez por todas


Celebramos hoje o nascimento da escritora brasileira Clarice Lispector (1920-1977) com um excerto de uma crónica sua onde a autora procurava esclarecer, “de uma vez por todas”, que, apesar de ter nascido na Ucrânia, era brasileira:

“[...] Cheguei ao Brasil com apenas dois meses de idade.
        Sou brasileira naturalizada, quando, por uma questão de meses, poderia ser brasileira nata. Fiz da língua portuguesa a minha vida interior, o meu pensamento mais íntimo, usei-a para palavras de amor. Comecei a escrever pequenos contos logo que me alfabetizaram, e escrevi-os em português, é claro. Criei-me em Recife e acho que viver no Nordeste ou Norte do Brasil é viver mais intensamente e de perto a verdadeira vida brasileira que lá, no interior, não recebe influência de costumes de outros países. Minhas crendices foram aprendidas em Pernambuco, as comidas que mais gosto são pernambucanas. E através de empregadas, aprendi o rico folclore de lá. 
        Somente na puberdade vim para o Rio com minha família: era a cidade grande e cosmopolita que, no entanto, em breve se tornava para mim brasileira-carioca. 
       Quanto a meus r enrolados, estilo francês, quando falo, e que me dão um ar de estrangeira, trata-se apenas de um defeito de dicção: simplesmente não consigo falar de outro jeito. Defeito esse que meu amigo Dr. Pedro Bloch disse ser facílimo de corrigir e que ele faria isso para mim. Mas sou preguiçosa, sei de antemão que não faria os exercícios em casa. E além do mais meus r não me fazem mal algum. [...]”

in A Descoberta do Mundo

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Agenda: Borderlands Reinvented and Revisited: Portuguese Language Literature in Print and Image


A Universidade do Novo México, nos Estados Unidos da América, inaugura hoje a exposição Borderlands Reinvented and Revisited: Portuguese Language Literature in Print and Image (Zonas de Fronteira Reinventadas e Revisitadas: Literatura Portuguesa em Texto e Imagem), que põe em destaque obras de autores portugueses e brasileiros em diferentes formatos, desde o texto impresso até formatos mais populares como a banda desenhada, o filme ou o cordel.

Ao demonstrar a transição de textos e autores entre os diferentes formatos, a exposição visa questionar a dicotomia entre alta e baixa cultura, para além de apresentar publicamente o acervo bibliográfico e pictórico em língua portuguesa da universidade.

A exposição estará patente até 15 de Maio próximo. Mais informação aqui.

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Perdida mente...



Relembramos hoje Florbela Espanca com o soneto “Amar!”, no dia em que se comemoram os aniversários do nascimento e da morte da poetisa portuguesa:


Eu quero amar, amar perdidamente!
Amar só por amar: Aqui... além...
Mais Este e Aquele, o Outro e toda a gente…
Amar! Amar! E não amar ninguém!

Recordar? Esquecer? Indiferente!...
Prender ou desprender? É mal? É bem?
Quem disser que se pode amar alguém
Durante a vida inteira é porque mente!

Há uma Primavera em cada vida:
É preciso cantá-la assim florida,
Pois se Deus nos deu voz, foi pra cantar!

E se um dia hei-de ser pó, cinza e nada
Que seja a minha noite uma alvorada,
Que me saiba perder... pra me encontrar...

Florbela Espanca, Sonetos, 30.ª ed., Lisboa: Bertrand Editora, 1999, p.137



domingo, 30 de novembro de 2014

Porque a ortografia também é gente

Fernando Pessoa, Bernardo Soares, Ricardo Reis, Álvaro de Campos. Autor: Rui Pimentel

No dia do aniversário da sua morte, sugerimos a (re)leitura do texto de onde foi retirada uma das frases mais célebres de Bernardo Soares, heterónimo de Fernando Pessoa - “Minha pátria é a língua portuguesa”: 

«Gosto de dizer. Direi melhor: gosto de palavrar. As palavras são para mim corpos tocáveis, sereias visíveis, sensualidades incorporadas. Talvez porque a sensualidade real não tem para mim interesse de nenhuma espécie — nem sequer mental ou de sonho —, transmudou-se-me o desejo para aquilo que em mim cria ritmos verbais, ou os escuta de outros. Estremeço se dizem bem. Tal página de Fialho, tal página de Chateaubriand, fazem formigar toda a minha vida em todas as veias, fazem-me raivar tremulamente quieto de um prazer inatingível que estou tendo. Tal página, até, de Vieira, na sua fria perfeição de engenharia sintáctica, me faz tremer como um ramo ao vento, num delírio passivo de coisa movida.
      Como todos os grandes apaixonados, gosto da delícia da perda de mim, em que o gozo da entrega se sofre inteiramente. E, assim, muitas vezes, escrevo sem querer pensar, num devaneio externo, deixando que as palavras me façam festas, criança menina ao colo delas. São frases sem sentido, decorrendo mórbidas, numa fluidez de água sentida, esquecer-se de ribeiro em que as ondas se misturam e indefinem, tornando-se sempre outras, sucedendo a si mesmas. Assim as ideias, as imagens, trémulas de expressão, passam por mim em cortejos sonoros de sedas esbatidas, onde um luar de ideia bruxuleia, malhado e confuso. 
      Não choro por nada que a vida traga ou leve. Há porém páginas de prosa que me têm feito chorar. Lembro-me, como do que estou vendo, da noite em que, ainda criança, li pela primeira vez, numa selecta, o passo célebre de Vieira sobre o Rei Salomão. «Fabricou Salomão um palácio...» E fui lendo até ao fim, trémulo, confuso; depois rompi em lágrimas felizes, como nenhuma felicidade real me fará chorar, como nenhuma tristeza da vida me fará imitar. Aquele movimento hierático da nossa clara língua majestosa, aquele exprimir das ideias nas palavras inevitáveis, correr de água porque há declive, aquele assombro vocálico em que os sons são cores ideais — tudo isso me toldou de instinto como uma grande emoção política. E, disse, chorei; hoje, relembrando, ainda choro. Não é — não — a saudade da infância, de que não tenho saudades: é a saudade da emoção daquele momento, a mágoa de não poder já ler pela primeira vez aquela grande certeza sinfónica. 
      Não tenho sentimento nenhum político ou social. Tenho, porém, num sentido, um alto sentimento patriótico. Minha pátria é a língua portuguesa. Nada me pesaria que invadissem ou tomassem Portugal, desde que não me incomodassem pessoalmente. Mas odeio, com ódio verdadeiro, com o único ódio que sinto, não quem escreve mal português, não quem não sabe sintaxe, não quem escreve em ortografia simplificada, mas a página mal escrita, como pessoa própria, a sintaxe errada, como gente em que se bata, ortografia sem ípsilon, como o escarro directo que me enoja independentemente de quem o cuspisse. 
      Sim, porque a ortografia também é gente. A palavra é completa vista e ouvida. E a gala da transliteração greco-romana veste-ma do seu vero manto régio, pelo qual é senhora e rainha.» 

Bernardo Soares, fragmento 259, Livro do Desassossego


domingo, 16 de novembro de 2014

Se Saramago escrevesse dicionários...

Imagem retirada do filme José e Pilar (2010), de Miguel Gonçalves Mendes.

No dia do seu aniversário, citamos, mais uma vez, um consulente atento de dicionários:

«Sorriso, diz-me aqui o dicionário, é o acto de sorrir. E sorrir [...] é rir sem fazer ruído e executando contracção muscular da boca e dos olhos. [...] 
O sorriso, meus amigos, é muito mais do que estas pobres definições, e eu pasmo ao imaginar o autor do dicionário no acto de escrever o seu verbete, assim a frio, como se nunca tivesse sorrido na vida. Por aqui se vê até que ponto o que as pessoas fazem pode diferir do que dizem. Caio em completo devaneio e ponho-me a sonhar um dicionário que desse precisamente, exactamente, o sentido das palavras e transformasse em fio-de-prumo a rede em que, na prática de todos os dias, elas nos envolvem.
Não há dois sorrisos iguais. [...] temos o sorriso de troça, o sorriso superior e o seu contrário humilde, o de ternura, o de cepticismo, o amargo e o irónico, o sorriso de esperança, o de condescendência, o deslumbrado, o de embaraço, e (por que não?) o de quem morre.
E há muitos mais. Mas nenhum deles é o Sorriso. 
O Sorriso (este, com maiúscula) vem sempre de longe. É a manifestação de uma sabedoria profunda, não tem nada que ver com as contracções musculares e não cabe numa definição de dicionário. Principia por um leve mover de rosto, às vezes hesitante, por um frémito interior que nasce nas mais secretas camadas do ser. Se move músculos é porque não tem outra maneira de exprimir-se. Mas não terá? Não conhecemos nós sorrisos que são rápidos clarões, como esse brilho súbito e inexplicável que soltam os peixes nas águas fundas? Quando a luz do sol passa sobre os campos ao sabor do vento e da nuvem, que foi que na terra se moveu? E contudo era um sorriso.
Mas eu falava de gente, de nós, que fazemos a aprendizagem do sorriso e dos sorrisos ao longo da vida própria e das alheias. [...]
A tudo isto é que eu chamo sabedoria. [...]
Dir-me-ão que não cabe tanto no sorriso. Eu digo que cabe. Soube-o a noite passada, quando foi ele a única resposta para a insónia e para os monstros do pesadelo nascido no sono onde o corpo acabou por deslizar, cansado e aflito. Sorrir assim, mesmo sem olhos que nos recebam, é o verbo mais transitivo de todas as gramáticas. Pessoal e rigorosamente transmissível. O ponto está em haver quem o conjugue.»

José Saramago, «O sorriso», Deste Mundo e do Outro, 5.ª edição, Lisboa, Editorial Caminho, 1997


quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Manoel de Barros (1916-2014)


Homenageamos o poeta brasileiro Manoel de Barros (Prémio Jabuti 1989), hoje falecido:

VII

No descomeço era o verbo.
Só depois é que veio o delírio do verbo.
O delírio do verbo estava no começo, lá
onde a criança diz: Eu escuto a cor dos 
passarinhos.
A criança não sabe que o verbo escutar não
funciona para cor, mas para som.
Então se a criança muda a função de 
um verbo, ele delira.
E pois.
Em poesia que é voz de poeta, que é a voz
de fazer nascimentos -
O verbo tem que pegar delírio.

Manoel de Barros, O livro das ignorãças, 3.ª ed., Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1993, p.17. 

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Agenda: Dia(s) do Desassossego



O que partilham José Saramago e Fernando Pessoa, além dos óculos, da nacionalidade, da escrita, da língua portuguesa ou do mês de Novembro (que viu nascer Saramago e morrer Pessoa)? Partilham o desassossego, nome da obra incontornável Livro do Desassossego de Bernardo Soares, heterónimo de Pessoa, e sentimento que habitava Saramago, pois o escritor vivia desassossegado e escrevia para desassossegar. De 15 a 17 deste mês, Saramago e Pessoa partilham também o Dia do Desassossego.

O Dia do Desassossego é uma iniciativa que a Fundação José Saramago tem levado a cabo nas ruas de Lisboa desde 2012, promovendo a leitura de textos de Saramago e de outros autores portugueses. Este ano, o programa conta com a parceria da Casa Fernando Pessoa e apela aos leitores para que se deixem desassossegar pela leitura, seja pela participação em leituras públicas, na troca de livros ou em concertos. Mais informação aqui.

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Priberam Machine Learning Lunch Seminars (6.ª série)



Amanhã, dia 28, tem início a sexta temporada dos Priberam Machine Learning Seminars. Pelo sexto ano consecutivo, a Priberam patrocina estes encontros informais que promovem a divulgação e o debate entre a academia e a indústria em diversas áreas relacionadas com a aprendizagem automática (machine learning, em inglês).  

O primeiro seminário estará a cargo de Michael Unser, professor e director do Laboratório de Imagem Biomédica, da Escola Politécnica Federal de Lausana.

A periodicidade dos seminários mantém-se quinzenal, à terça-feira, das 13h às 14h, no campus da Alameda do Instituto Superior Técnico. Os seminários estão abertos a todos os que queiram participar (não é necessária inscrição) e disponibilizam uma refeição grátis aos participantes. Mais informação aqui (em inglês).

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Agenda: New Portuguese Writers



A obra dos escritores portugueses Dulce Maria Cardoso e Afonso Cruz vai estar em destaque nos próximos dias em Nova Iorque, no âmbito do New Portuguese Writers, iniciativa do Arte Institute

Estão previstas leituras interpretadas de textos dos dois autores no sábado, dia 25, no Metropolitan Museum of Art, e conferências de ambos os escritores na segunda-feira, dia 27, no King Juan Carlos Center.

Mais informação aqui (em português) e aqui (em inglês).

terça-feira, 14 de outubro de 2014

Agenda: I Congresso Internacional do Círculo Literário Agustina Bessa-Luís


Decorre hoje e amanhã, na Fundação Calouste Gulbenkian, o primeiro congresso internacional do círculo literário Agustina Bessa-Luís, subordinado ao tema “Ética e Política na obra de Agustina Bessa-Luís”. 

A entrada é livre e conta com a participação de conferencistas que incluem escritores e estudiosos da obra da escritora portuguesa. Mais informações aqui.

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Aniversário Priberam: 25 anos


A Priberam celebra hoje o seu 25.º aniversário!

Desde 25 de Setembro de 1989, a Priberam tem vindo a fazer história nas áreas da linguística computacional, das ferramentas de informação jurídica, dos motores de pesquisa e da saúde. Há 25 anos que a Priberam tem arrecadado prémios e distinções pela sua capacidade de inovação e pelos seus serviços e produtos, como o FLiP, o LegiX e o Priberam Search.


A Priberam está de parabéns pelos seus 25 anos de existência, mas as prolfaças vão também para todos aqueles (clientes, parceiros, admiradores) que nos têm acompanhado e que têm contribuído para o nosso crescimento e para o melhoramento dos nossos produtos e serviços.

terça-feira, 23 de setembro de 2014

Agenda: XXII Colóquio da Lusofonia



No próximo dia 25 tem início o XXII Colóquio da Lusofonia, na Casa Municipal da Cultura, em Seia.

As sessões são abertas ao público e irão debater temas como lusofonia, literatura, ensino, formação, língua portuguesa no mundo e estudos de tradução, nomeadamente de e para português.

Mais informações, aqui.

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Eduardo White (1963-2014)



Prestamos homenagem ao poeta moçambicano Eduardo White (Prémio Glória de Sant'Anna 2013), falecido ontem em Maputo, com o poema “O que vocês não sabem e nem imaginam”: 


Vocês não sabem
mas todas as manhãs me preparo
para ser, de novo, aquele homem.
Arrumo as aflições, as carências,
as poucas alegrias do que ainda sou capaz de rir,
o vinagre para as mágoas
e o cansaço que usarei
mais para o fim da tarde.

À hora do costume,
estou no meu respeitoso emprego:
o de Secretário de Informação e de Relações
[Públicas.
Aturo pacientemente os colegas,
felizes em seus ostentosos cargos,
em suas mesas repletas de ofícios,
os ares importantes dos chefes
meticulosamente empacotados em seus fatos,
a lenta e indiferente preguiça do tempo.

Todas as manhãs tudo se repete.
O poeta Eduardo White se despede de mim
à porta de casa,
agradece-me o esforço que é mantê-lo,
alimentado, vestido e bebido
(ele sem mover palha)
me lembra o pão que devo trazer,
os rebuçados para prendar o Sandro,
o sorriso luzidio e feliz para a Olga,
e alguma disposição da que me reste
para os amigos que, mais logo,
possam eventualmente aparecer.

Depois, ao fim da tarde,
já com as obrigações cumpridas,
rumo a casa.
À porta me esperam
a mulher, o filho e o poeta.
A todos cumprimento de igual modo.

Um largo sorriso no rosto,
um expresso cansaço nos olhos,
para que de mim se apiedem
e se esmerem no respeito,
e aquele costumeiro morro de fome.

Então à mesa, religiosamente comemos os quatro
o jantar de três
(que o poeta inconsta
na ficha do agregado).

Fingidamente satisfeito ensaio
um largo bocejo
e do homem me dispo.
Chamo pela Olga para que o pendure,
junto ao resto da roupa,
com aquele jeito que só ela tem
de o encabidar sem o amarrotar.

O poeta, visto depois
e é com ele que amo,
escrevo versos
e faço filhos.

sexta-feira, 25 de julho de 2014

Ariano Suassuna (1927-2014)



Homenageamos o escritor brasileiro Ariano Suassuna, recentemente falecido, com o excerto da sua obra-prima teatral em que uma das personagens não esconde seu espanto perante um Cristo negro:


«JOÃO GRILO
Apesar de ser um sertanejo pobre e amarelo, sinto perfeitamente que estou diante de uma grande figura. Não quero faltar com o respeito a uma pessoa tão importante, mas se não me engano aquele sujeito acaba de chamar o senhor de Manuel.

MANUEL
Foi isso mesmo, João. Esse é um de meus nomes, mas você pode me chamar também de Jesus, de Senhor, de Deus... Ele gosta de me chamar Manuel ou Emanuel, porque pensa que assim pode se persuadir de que sou somente homem. Mas você, se quiser, pode me chamar de Jesus.

JOÃO GRILO
Jesus?

MANUEL
Sim.

JOÃO GRILO
Mas, espere, o senhor é que é Jesus?

MANUEL
Sou.

JOÃO GRILO
Aquele Jesus a quem chamavam Cristo?

MANUEL
A quem chamavam, não, que era Cristo. Sou, por quê?

JOÃO GRILO
Porque... não é lhe faltando com o respeito não, mas eu pensava que o senhor era muito menos queimado.

BISPO
Cale-se, atrevido.

MANUEL
Cale-se você. Com que autoridade está repreendendo os outros? Você foi um bispo indigno de minha Igreja, mundano, autoritário, soberbo. Seu tempo já passou. Muita oportunidade teve de exercer sua autoridade, santificando-se através dela. Sua obrigação era ser humilde porque quanto mais alta é a função, mais generosidade e virtude requer. Que direito tem você de repreender João porque falou comigo com certa intimidade? João foi um pobre em vida e provou sua sinceridade exibindo seu pensamento. Você estava mais espantado do que ele e escondeu essa admiração por prudência mundana. O tempo da mentira já passou.

JOÃO GRILO
Muito bem. Falou pouco mas falou bonito. A cor pode não ser das melhores, mas o senhor fala bem que faz gosto.

MANUEL
Muito obrigado, João, mas agora é sua vez. Você é cheio de preconceitos de raça. Vim hoje assim de propósito, porque sabia que isso ia despertar comentários. Que vergonha! Eu Jesus, nasci branco e quis nascer judeu, como podia ter nascido preto. Para mim, tanto faz um branco como um preto. Você pensa que eu sou americano para ter preconceito de raça?» 

Ariano Suassuna, O Auto da Compadecida, 11.ª ed., Rio de Janeiro: Agir Editora, 16975, pp. 146-149.

quinta-feira, 24 de julho de 2014

Agenda: Festa Literária Internacional de Paraty 2014



De 30 de Julho a 3 de Agosto decorre, no Rio de Janeiro, a 12.ª Festa Literária Internacional de Paraty (Flip). 

O evento, que partilha o acrónimo com o FLiP, o pacote de ferramentas linguísticas da Priberam de auxílio à escrita em língua portuguesa, será palco de debates e conferências com vários autores nacionais e internacionais, para além de exposições, oficinas, exibições de filmes e uma homenagem ao escritor brasileiro Millôr Fernandes (1923-2012).

A programação principal da Flip tem tradução simultânea e pode ser vista ao vivo pela internet. Mais informação aqui.

quarta-feira, 23 de julho de 2014

Lisbon Machine Learning School 2014



Teve ontem início a quarta edição da Lisbon Machine Learning School (LxMLS), escola de Verão intensiva que inclui aulas, laboratórios e palestras sobre aprendizagem automática (“machine learning”, em inglês).

A LxMLS 2014 conta com o patrocínio da Priberam e decorre até 29 de Julho, no Instituto Superior Técnico.

sexta-feira, 18 de julho de 2014

João Ubaldo Ribeiro (1941-2014)


Prestamos homenagem ao escritor brasileiro João Ubaldo Ribeiro (Prémio Camões 2008), falecido hoje no Rio de Janeiro, através dos seguintes excertos das suas crónicas, onde é bem visível a relação do autor com a língua portuguesa.

«[...] Um pouco febril às vezes, chegava a ler dois ou três livros num só dia, sem querer dormir e sem querer comer porque não me deixavam ler à mesa -- e, pela primeira vez em muitas, minha mãe disse a meu pai que eu estava maluco, preocupação que até hoje volta e meia ela manifesta.
--  Seu filho está doido -- disse ela, de noite, na varanda, sem saber que eu estava escutando. -- Ele não larga os livros. Hoje ele estava abrindo os livros daquela estante que vai cair para cheirar.
-- Que é que tem isso? É normal, eu também cheiro muito os livros daquela estante. São livros velhos, alguns têm um cheiro ótimo.
-- Ontem ele passou a tarde inteira lendo um dicionário.
-- Normalíssimo. Eu também leio dicionários, distrai muito. Que dicionário ele estava lendo?
-- O Lello.
-- Ah, isso é que não pode. Ele tem que ler o Laudelino Freire, que é muito melhor. Eu vou ter uma conversa com esse rapaz, ele não entende nada de dicionários. Ele está cheirando os livros certos, mas lendo o dicionário errado, precisa de orientação. [...]»

João Ubaldo Ribeiro, “Memória de livros” in Um brasileiro em Berlim, Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1995, pág. 137, via Projeto Releituras [página consultada em 18-07-2014]. 



«A gramática é a mais perfeita das loucuras, sempre inacabada e perplexa, vítima eterna de si mesma e tendo de estar formulada antes de poder ser formulada — especialmente se se acredita que no princípio era o Verbo. Estou estudando gramática e fico pasmo com os milagres de raciocínio empregados para enquadrar em linguagem “objetiva” os fatos misteriosos da língua. Alguns convencem, outros não. Estes podem constituir esforços meritórios, mas se trata de explicações que a gente sente serem meras aproximações de algo no fundo inexprimível, irrotulável, inclassificável, impossível de compreender integralmente. Mas vou estudando, sou ignorante, há que aprender. Meu consolo é que muitas das coisas que me afligem devem afligir vocês também. Ou pelo menos coisas parecidas. [...]»

João Ubaldo Ribeiro, “Questões gramaticais” in Arte e ciência de roubar galinha: crônicas, Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1998, pp. 96-100, via Scribd [página consultada em 18-07-2014].

terça-feira, 15 de julho de 2014

Lexicografia criativa

Já não é a primeira vez que a actualidade inspira os consulentes do Dicionário Priberam da Língua Portuguesa a soltarem o lexicógrafo que há neles. Desta vez foi a actualidade financeira que contribuiu para este resultado inspirado (via Twitter):



quarta-feira, 2 de julho de 2014

Agenda: Poesia Inglesa de Fernando Pessoa




«Minha pátria é a língua portuguesa» é o célebre dito de Bernardo Soares, heterónimo de Fernando Pessoa, presente no fragmento 259 do seu Livro do Desassossego. Menos conhecido é talvez o facto de Fernando Pessoa ter também escrito grande número de poemas em língua inglesa, como estes:

V
I conquered. Far barbarians fear my name.
Men were dice in my game,
But to my throw myself did lesser come:
I threw dice, Fate the sum.

VI
Some were as love loved, some as prizes prized.
A natural wife to the fed man my fate
I was sufficient to whom I sufficed.
I moved, slept, bore and aged without a fate.

Fernando Pessoa, “Inscriptions”, English Poems, Lisboa: Olisipo, 1920, p. 18.


Para debater o tema da poesia inglesa do poeta português, decorre amanhã em Lisboa, na Casa Fernando Pessoa, um encontro que irá reunir vários estudiosos. A entrada é livre. Mais informações aqui.

sexta-feira, 27 de junho de 2014

800 anos da língua portuguesa

«Celebrar o aniversário da nossa língua é um enorme atrevimento. E fazê-lo numa data precisa envolve obviamente algum grau de arbitrariedade; e de escolha. É, na verdade, uma escolha: escolhemos 27 de Junho de 1214.»
José Ribeiro e Castro, “Língua Portuguesa: porquê 27 de Junho?” in Público, 19 de Julho de 2014 [consultado em 27-06-2014]



Assim à primeira vista pode não parecer, mas o texto da imagem acima, datado de 27 de Junho de 1214 (ou seja, «IIII.or dias por andar de junio, E(r)a M.ª CC.ª Lª II.ª», não esquecendo de fazer o desconto de 38 anos do calendário da era hispânica...), é considerado o primeiro documento oficial escrito em português. Trata-se do testamento do terceiro rei de Portugal, D. Afonso II, onde, se olharmos beeeeeeeeem de perto (e com muitos conhecimentos paleográficos), se pode ler:

«En'o nome de Deus. Eu rei don Afonso pela gracia de Deus rei de Portugal, seendo sano e saluo, temëte o dia de mia morte, a saude de mia alma e a proe de mia molier raina dona Orraca e de me(us) filios e de me(us) uassalos e de todo meu reino fiz mia mãda p(er) q(ue) de pos mia morte mia molier e me(us) filios e meu reino e me(us) uassalos e todas aq(ue)las cousas q(ue) De(us) mi deu en poder sten en paz e en folgãcia. P(ri)meiram(en)te mãdo q(ue) meu filio infante don Sancho q(ue) ei da raina dona Orraca agia meu reino enteg(ra)m(en)te e en paz. E ssi este for morto sen semmel, o maior filio q(ue) ouuer da raina dona Orraca agia o reino entegram(en)te e en paz. E ssi filio barõ nõ ouuermos, a maior filia q(ue) ouuuermos agia'o [...]»


Neste texto de D. Afonso II é utilizada oficialmente uma língua já falada pelo povo e distanciada do latim. Passados oito séculos, a versão ortográfica actual do início desse documento seria esta:

«Em nome de Deus. Eu rei dom Afonso pela graça de Deus rei de Portugal, sendo são e salvo, temente o dia de minha morte, a saúde de minha alma e a prole de minha mulher rainha dona Urraca e de meus filhos e de meus vassalos e de todo meu reino fiz minha manda para que depois da minha morte minha mulher e meus filhos e meu reino e meus vassalos e todas aquelas coisas que Deus me deu em poder estejam em paz e em folgança. Primeiramente mando que meu filho infante dom Sancho que hei da rainha dona Urraca haja meu reino integramente e em paz. E se este for morto sem semente, o maior filho que houver da rainha dona Urraca haja o reino integramente e em paz. E se filho barão não houvermos, a maior filha que houvermos o haja [...]»


terça-feira, 29 de abril de 2014

Vasco Graça Moura (1942-2014)


Homenageamos com este texto o escritor português Vasco Graça Moura, falecido recentemente em Lisboa:

quando eu morrer murmura esta canção
que escrevo para ti. quando eu morrer
fica junto de mim, não queiras ver
as aves pardas do anoitecer
a revoar na minha solidão.

quando eu morrer segura a minha mão,
põe os olhos nos meus se puder ser,
se inda neles a luz esmorecer,
e diz do nosso amor como se não

tivesse de acabar, sempre a doer,
sempre a doer de tanta perfeição
que ao deixar de bater-me o coração
fique por nós o teu inda a bater,
quando eu morrer segura a minha mão.

Vasco Graça Moura, "Soneto do Amor e da Morte", in Antologia dos Sessenta Anos

terça-feira, 1 de abril de 2014

100 000 seguidores = passatempo FLiP

A Priberam celebra os 100 000 seguidores na sua página do Facebook com um passatempo em que irá sortear 10 licenças do FLiP, o pacote de ferramentas de revisão e auxílio à escrita da Priberam.

Para concorrer, os participantes têm de clicar em “gosto/like” no Facebook da Priberam e colocar no nosso mural uma fotografia da sua autoria em que se mostre um produto ou serviço da Priberam (ver a foto ilustrativa abaixo).

Os produtos e serviços incluem o Dicionário Priberam (na página da Internet ou numa das aplicações disponíveis), qualquer produto da gama FLiP ou da gama LegiX (que permite o acesso a legislação, jurisprudência e doutrina nacional e europeia) ou ainda os serviços descritos na página Ligações úteis.

Informações práticas:
Só será aceite uma foto por perfil do Facebook. O passatempo é válido até ao final do dia 8 de Abril. Os vencedores sorteados serão anunciados no dia 10 de Abril.

Para se inspirarem, deixamos aqui um exemplo de como podem fazer uma foto para este passatempo:



quinta-feira, 20 de março de 2014

Agenda: Pessoa e Borges em Lisboa



O que têm em comum o português Fernando Pessoa e o argentino Jorge Luis Borges? Ficam aqui algumas pistas, que serão provavelmente abordadas no encontro Pessoa e Borges em Lisboa:

“Para além de vorazes leitores de Omar Khayyam e de William Shakespeare ou de poetas que souberam cultivar o universal no realismo local (Cesário Verde e Evaristo Carriego), Jorge Luis Borges e Fernando Pessoa partilharam numerosas paixões literárias. Sem sabê-lo, talvez, ambos viriam a corresponder-se com escritores espanhóis como Isaac del Vando Villar, entre outros; e em Maio de 1924 até caminharam nas ruas da mesma cidade, Lisboa [...]”.

O evento, de entrada livre, realiza-se no próximo dia 24, segunda-feira, na Casa Fernando Pessoa, e contará com a presença de vários críticos literários que irão analisar semelhanças entre as obras destes dois autores. 

segunda-feira, 17 de março de 2014

Agenda: Poesia em Pessoa



Se estiver por Lisboa no próximo sábado, dia 22, traga o seu Pessoa à rua para celebrar o dia mundial da poesia. Não se trata de erro de concordância, leitor. Vista-se como o poeta Fernando Pessoa e participe na iniciativa Poesia em Pessoa, da Fundação INATEL, que propõe uma concentração de Pessoas (indivíduos vestidos de Fernando Pessoa) no Largo de São Carlos, local do nascimento do poeta, com cortejo até ao Teatro da Trindade, onde se realizará um espectáculo de poesia, grátis para todos os Pessoas.

Mais informações sobre o programa, aqui.

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Agenda: Ciclo História da Língua Portuguesa




De 13 de Fevereiro a 13 de Março decorre, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, um ciclo dedicado à história da língua portuguesa, conduzido pelo Professor Doutor Ivo Castro, da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

Durante as cinco sessões, serão abordados temas como a origem, as transformações sofridas e as perspectivas de futuro da língua portuguesa. A entrada é livre, mediante inscrição prévia. Mais informações aqui.

terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

Priberam Machine Learning Lunch Seminars (5.ª série)




Começa hoje a quinta temporada dos Priberam Machine Learning Seminars, um espaço que promove a divulgação e o debate entre a academia e a indústria em diversas áreas relacionadas com a aprendizagem automática (machine learning).

A periodicidade dos seminários mantém-se quinzenal, à terça-feira, das 13h às 14h, no campus da Alameda do Instituto Superior Técnico. Os seminários estão abertos a todos os que queiram participar (não é necessária inscrição) e disponibilizam uma refeição grátis aos participantes. Mais informação (em inglês), aqui.

sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

FLiP 9 Brasil


A versão do pacote de correctores e dicionários da Priberam desenvolvida especificamente para o mercado brasileiro já está disponível para download na loja online.

O FLiP 9 Brasil reúne um conjunto de ferramentas que facilitam a escrita e a revisão de texto e que incluem correctores ortográficos, sintácticos e estilísticos (para português do Brasil e espanhol), conversor de texto para o Acordo Ortográfico, nove dicionários temáticos, auxiliares de tradução (de ou para português, espanhol, francês ou inglês), um dicionário de sinónimos e antónimos, um hifenizador para efeitos de translineação, um conjugador de verbos e o Dicionário Priberam da Língua Portuguesa sem ligação à Internet.

Das principais características e funcionalidades, descritas na página do produto, destacam-se a compatibilidade com o Windows 8 e o Microsoft Office 2013 / 365, o Dicionário Priberam, bem como a possibilidade de seleccionar a grafia anterior ou posterior ao novo Acordo Ortográfico.

Para assinalar o lançamento do FLiP 9 Brasil, TODOS os produtos da gama FLiP podem ser adquiridos com 30% de desconto na loja da Priberam, até dia 13 de Fevereiro, com o código FLIPBRASIL no “Checkout”.

sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

Números de 2013

A compilação dos dados anuais de acesso ao Dicionário Priberam da Língua Portuguesa implica a análise de muitos números, pelo que, este ano, recorremos a infografias para facilitar a apresentação.

Durante o ano de 2013, o Dicionário Priberam recebeu mais de 62 milhões de visitas que, com o tempo médio de mais de 4 minutos de permanência no site, perfizeram o equivalente a mais de... 491 anos! Ao todo foram visualizadas 200 milhões de páginas. Estes números não incluem os acessos a partir das aplicações do dicionário para Android, iOS e Windows Phone. Os acessos a partir da aplicação para Android registaram um aumento de 380% face a 2012. Apesar dos aumentos registados na utilização das aplicações, as consultas ao site do dicionário continuam a representar cerca de 80% dos acessos.


Tal como já tinha acontecido em 2012, a palavra mais pesquisada pelos portugueses foi poder. Em 2.º lugar ficou a palavra ser e em 3.º resiliência. Já no Brasil, a palavra mais consultada foi atemporal, tendo o amor subido para a 3.ª posição (em 2012, ocupava a 8.ª posição). À semelhança de anos anteriores, o maior número de acessos foi feito a partir de Brasil e Portugal. O número de visitantes a partir de Angola e Moçambique duplicou face a 2012. Em Portugal registou um aumento de 20%.


Estes são os erros mais frequentes na consulta do Dicionário Priberam, que muitas vezes é usado apenas para saber como se escreve uma palavra da qual até se conhece o significado. Sempre que possível, são apresentadas sugestões de correcção para as sequências digitadas não reconhecidas. As listas de erros mais frequentes, que variam de país para país, são usadas para melhorar os correctores da Priberam. 


Todos os dias é seleccionada uma palavra que surge destacada na página do Dicionário Priberam, sendo também publicitada diariamente no Facebook e no Twitter. A escolha da palavra do dia, que já tem motivado vários comentários e perguntas relativamente aos critérios seguidos, é da responsabilidade da equipa de linguistas da Priberam e recai, geralmente, sobre palavras raras, curiosas ou pouco consultadas, às quais se procura dar algum destaque, nem que seja por um dia. As cinco palavras acima foram as mais visualizadas das 365 palavras do dia de 2013.


Apesar de alguns palavrões se encontrarem todos os anos entre as palavras mais consultadas, ficam aqui, como curiosidade, apenas os três mais pesquisados, devidamente disfarçados para não ferir susceptibilidades.


As pesquisas no Dicionário Priberam chegam em maior número de Portugal e do Brasil, mas há outras proveniências, algumas das quais destacadas acima. A lista completa das principais pesquisas inclui quase uma centena de países a partir dos quais o Dicionário Priberam foi consultado em 2013. 







Priberam.pt
.